Uma avó eterna


Ela era a Padeira do povo. 



Ninguém sabia fazer pão como ela e muitas vezes, em tempos de que já não há memória, matou a fome de quem nada tinha para comer. 

Recordo-me da sua bata sempre enfarinhada e da sua enorme trança presa num carrapito, muito próprio de alguém da sua idade. Aquela velhinha roliça, arisca e de resposta sempre pronta para quem quer que fosse. Lembro-me de dormir enroscada nela e de me sentir no colo da minha mãe. Lembro-me que como me ensinou todas as minhas orações, de como me obrigou {já com dezasseis anos} a fazer a primeira comunhão … e foi ela que esteve lá comigo, ao meu lado, no dia da festa da aldeia. 

Lembro-me de como nos ralhava, a mim e à minha prima que discutíamos acerrimamente como duas irmãs, e de como nos comprava rajás para comermos as três no pátio do quintal. Lembro-me de como ela guardava as moedinhas num lencinho enrodilhado e nos dava sempre na hora do ofertório da missa. 
Lembro-me de como a admirava de cada vez que a via com aqueles enormes cântaros de água em cima da cabeça, num verdadeiro número de malabarismo.  
Lembro-me da forma muito própria de como contava as suas histórias, em que não lhe conseguia compreender metade das expressões, e em particular da história de como um dia tinha corrido a aldeia toda à procura da neta para a vir descobrir, mais tarde, dentro do roupeiro a brincar. 

Uma avó nunca se perde.

Uma avó fica para sempre no nosso coração e nas nossas mais queridas memórias. Uma avó acompanha-nos mesmo quando já não está presente.

A minha avó será para sempre eterna. 


 Su

29 comentários:

  1. Su, sinto muito que já não tenhas a tua avó fisicamente junto de ti.
    È verdade que as pessoas queridas ficam sempre connosco mas é sempre um bocado da nossa história que se vai com elas.
    Eu sinto falta das histórias dos meus avós, da caldeirada que o meu avô fazia, da broa da minha bisa, tanta coisa que sinto saudade que é como se a minha infância também estivesse a ir...
    Fica a memória e as nossas próprias histórias deles de tal modo contadas aos nossos filhos que será como se os conhecessem apesar do pouco ou nenhum contacto.

    ResponderEliminar
  2. Su,

    Acompanho-a há algum tempo e delicio-me sempre com os textos e ainda mais com as maravilhosas receitas divinamente fotografadas mas hoje, especialmente hoje, verti lágrimas profundas e sentidas ao lê-la. Não poderia concordar mais, uma avó é eterna, a sua, a minha a de todas as pessoas que têm e tiveram o privilégio de ter uma avó adorável, trabalhadora, sábia... marcante na nossa educação que nos passou tantos ensinamentos e estará para sempre gravada no nosso coração... Sim, uma avó nunca se perde... Uma lindíssima homenagem a uma grande avó.
    Parabéns à escritora, ao fotógrafo, à cozinheira... E a este magnifico blogue.

    Bjnhos e uma semana maravilhosa.

    http://saborescomtempo.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. o teu post toca no coração <3
    também penso que os meus avós estão sempre presentes.

    ResponderEliminar
  4. Os meus sentimentos! È uma perda muito grande!
    bjinhos

    ResponderEliminar
  5. Su que saudades eu tenho das minhas avós, que infelizmente já não vivem neste mundo mas vivem no meu coração!
    Os meus sentimentos, bjs!

    ResponderEliminar
  6. Aiii que verdade, não digo mais nada porque senão choro.. a minha foi uma mãe pra mim! Nunca se perde mesmo!!!!

    ResponderEliminar
  7. Até fiquei arrepiada Su, que lindas palavras... Ainda tenho a minha avó comigo, mas já perdi o meu querido avô, e acredita que há coisas que nunca se perdem. Histórias, expressões que ficam connosco, tradições, sorrisos...

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  8. Fiquei de lágrimas no olhos. Primeiro porque me revi (a mim, à minha avó e a minha prima) nas situações que descreveste - engraçado como as pessoas têm hábitos semelhantes (as duas primas a discutir, a avó que compra os rajás, as histórias contadas de forma muito propria...)
    Segundo, porque embora a minha avó tenha falecido há mais de ano e meio, sempre que me lembro dela sinto uma saudade sem fim.
    Terceiro, porque emociono-me sempre com estas coisas. Como diria a minha avó, sou uma "pita chorona" :)
    Mas o melhor de tudo é que o que dizes é tão verdade: as avós são eternas e estão sempre connosco, mesmo quando já não estão por cá...

    ResponderEliminar
  9. Um grande grande grande beijinho minha querida

    ResponderEliminar
  10. Um texto muito bonito em homenagem a uma Mulher que deve ter sido de armas. A foto retrata tao bem o amor entre uma neta e a avo. As minhas condolencias...concordo plenamente contigo elas ficam sempre connosco, de certa forma sao eternas e e isso que nos da forca e gere um dos ciclos da vida.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Agradeço todas as palavras de carinho e conforto. Foi uma perda muito grande, ainda que todos saibamos que faz parte do ciclo natural da vida.
    Muito obrigada a todas(os).

    ResponderEliminar
  12. Su, são as memórias que preservamos que nos moldam como seres humanos. Adorei as suas palavras, que são lindas e carregadas de uma emoção pura e sincera. Como diz, "Uma avó nunca se perde". Nada é tão verdade!

    Um grande beijinho e um bem-haja pela sua partilha!

    Carla

    ResponderEliminar
  13. Lá me deixaste a chorar... Revejo-me tanto na tuas palavras... A minha avo ainda é viva e sofro por antecipação... Por saber que um dia me fará tanta falta... Foi um homenagem muito bonita. Obrigado

    ResponderEliminar
  14. Su,não tenho palavras,tão emocionante.bjs,violeta

    ResponderEliminar
  15. Olá Su,

    que bonita homenagem, cheia de amor e carinho. As pessoas de quem gostamos muito nunca "partem" totalmente,ficam sempre um bocadinho connosco.
    Beijinho grande Su

    ResponderEliminar
  16. Uma homenagem que nos deixou com pena de não termos conhecido a avó eterna de quem herdaste a habilidade para a cozinha. Há perdas que nos marcam para a vida toda por se tratar de pessoas especiais. Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  17. Ao ler não há como não recordar a nossa amada avó... emocionante...
    Beijinhos
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  18. Este texto deixa muito claro que a tua avó vai permanecer sempre no teu coração e nos teus gestos.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  19. Como eu vi a minha avó no teu texto!!!
    Tenho muitas saudades da minha avózinha, que está sempre no meu pensamento e no meu coração.
    Bjocas

    ResponderEliminar
  20. Claro que o teu texto me fez chorar pelas tuas palavras e pelo facto da minha avó de ter deixado há mês e meio. Acho que ainda estou a fazer o luto, ainda não consigo olhar para uma foto dela sem chorar, ainda está muito grande o vazio físico e a dor no meu coração.
    As nossas avós são eternas mas as saudades também o são!
    Bjs

    ResponderEliminar
  21. Su, uma bonita homenagem que fizeste à tua avó. Tens boas memórias, por isso será sempre relembrada, de certeza.
    Um abraço grande

    ResponderEliminar
  22. Que palavras tão queridas, que post maravilhoso! É verdade, uma avó nunca se perde. Felizmente ainda estimo muito a minha que me mima ainda todos os dias com um almocinho à sua maneira sempre delicioso!Nós também seremos umas avós que deixaremos boas recordações nos nossos netos! Um grande beijinho e parabéns por seres um ser tão maravilhoso e uma neta tão querida!

    ResponderEliminar
  23. Su....que linda homenagem...
    E que foto mais amorosa e enternecedora...
    O amor é eterno.
    Um abraço carinhoso.
    Bjinho.

    ResponderEliminar
  24. que lindoooooo... fiquei mesmo comovida! Amei o teu texto!

    ResponderEliminar
  25. Que lindo texto! Revi a minha avó nalgumas palavras.
    As avós transmontanas são 'diferentes'!

    ResponderEliminar
  26. Também tenho IMENSAS saudades da minha avó... Ensinou-me tantas coisas :-)
    Faria meu o teu texto. Uma senhora do Norte, cheia de vida e conhecimentos e umas quantas "mézinhas"!
    Bjs

    ResponderEliminar