O Meu Pai


{no english version today}


Nem sempre lhe dei o devido valor. As nossas personalidades, por demais semelhantes, chocaram vezes sem conta e mesmo que branco eu dizia negro apenas para o contrariar. 
Hoje, já mulher, penso nos tempos em que, como toda a boa adolescente que se preze, eu era – ou pensava ser - a senhora da verdade e em como lhe punha a cabeça em água. Chocávamos vezes sem conta. Eu queria ser mulher, ele queria que eu continuasse a ser para sempre a sua menina. 

Mas eu cresci, tornei-me na mulher que eu sei que ele sempre desejou que eu fosse. E hoje, melhor do que nunca, sei valorizar o pai que ele sempre foi. Apesar dos obstáculos e dos percalços que a vida por vezes nos lançou, sei que para ele eu estive sempre em primeiro lugar. Hoje sei valorizar todos os sacrifícios que suportou, toda uma vida de trabalho árduo e até alguma solidão. Hoje sei valorizar aqueles dois ganchinhos de cabelo em madeira que me comprou no chiado ao final do um dia de trabalho. Hoje guardo como um dos meus maiores tesouros aquele serviço miniatura de chá que me ofereceu há tantos, tantos anos atrás. 

E Pai, sei que nem sempre tiveste todo o amor que merecias, sei que a vida foi muito árdua e dura para ti… dura como não deveria ter sido. Eu sei. Sei que por vezes te sentiste sozinho e talvez até sem muito carinho. Mas Pai, que nunca te reste qualquer dúvida que me tornei em que sou por causa de ti. Que espero, do mais íntimo do me ser, ter-me tornado no teu motivo de orgulho e felicidade na vida. 
Que saibas sempre que, até ao último dos teus dias, nunca estarás sozinho. Que a tua filha te Ama incondicionalmente e que estará sempre do teu lado.


sigam o Suvelle Cuisine no Facebook Instagram }

Su

12 comentários:

  1. Oh Su, deixas-me sempre de lágrimas nos olhos...

    ResponderEliminar
  2. Parece que é uma tradição que se repete de geração em geração... Também eu, como os meus filhos e como os meus pais, tanto "chorámos" pelo que achávamos uma "injustiça" aquela proibição ou aquela palmada bem dada! Hoje vejo que fizeram muito bem! Tornei-me uma pessoa de bem, com escrúpulos, honesta a carinhosa. Claro, agradeço a eles, como eles agradeceram aos pais e como os meus, (de certeza que por vezes lhes apetece deitar-me pela janela abaixo :-), me vão agradecer os ralhetes e os castigos!
    Nem me imagino sem os meus pais, é coisa que nem quero pensar! Amo-os com todo o coração, que transformo ao tamanho do universo <3
    Muitos beijinhos Su, querida.
    Cláudia

    ResponderEliminar
  3. É uma linda homenagem ao teu pai. :) Fantástico texto!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Querida e doce Su,
    Um texto absolutamente lindo e emocionante e uma homenagem fabulosa ao teu pai que sim, acredito tenha imenso orgulho em ti e na pessoa linda que és!
    Beijinhos muito grandes e boa semana,
    Lia.

    ResponderEliminar
  5. Dos textos mais bonitos que li no seu blogue, sem dúvida, muito comovente e especial! Simples, mas maravilhoso.

    ResponderEliminar
  6. Su... lindo este teu texto. Como sabes sou uma eterna apaixonada e adoro declarações de amor. E ninguém melhor que os nossos pais e mães para serem as nossas musas inspiradoras. Lindas palavras, sentimentos profundo. Um beijo enorme.

    ResponderEliminar
  7. Palavras muito bonitas e que me emocionaram bastante talvez por me identificar com esta história. Gosto do teu blog e das tuas partilhas, fazem nos reflectir :)

    ResponderEliminar
  8. muito bonito texto sem duvida o melhor q ja li aqui.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Bem, não consegui conter-me.Pronto. Lá rolaram as lágrimas. Tens este condão de nos emocionar.

    beijinhos grandes

    Patrícia

    ResponderEliminar