Tartlets de pêssego integrais... e as diferenças entre o primeiro e os seguintes.


{scroll down for english version}


Ao contrário daquilo que é comum na grande generalidade dos pais, a minha experiência entre o primeiro e o(s) segundo(s) filho(s) não me ensinou a ser mais relaxada e/ou descontraída. 
Sempre fui todas essas coisas com o mais velho. 

Tartlets _20140605_0015 Tartlets_Col2

Nunca entrei em paranoia porque o termómetro acusava 38º - e na grande maioria das vezes a palma da mão serve para constatar se está mais ou menos quente -, nunca fiquei em pânico por ele ter o sapato na boca (como aliás todos os meus filhos adoram fazer), nunca chorei que nem madalena por o deixar na creche ou com os avós. Está em mim ser assim, é um direito que me assiste tal como é no caso de todas as mães que não o são. 

Tartlets _20140605_0016 Tartlets _20140605_0019

Mas eis que, depois de ser mãe de um rapazinho lindo muito independente e boa onda, me vejo a braços com duas meninas que realmente personificam a epítome daquilo que é ser uma verdadeira {como eu adoro chamá-las} Lady

E eu dou por mim a correr para elas sempre que elas choram – claramente a chamar por mim - a fazer-me valer do meu direito de ser mãe e acudir-lhes ao mínimo suspiro, a deliciar-me naquela ânsia de as saborear e a cada um dos seus traços, gestos, sorrisos ou balbucios.

Tartlets _20140605_0027

Só porque sim, e talvez porque agora saiba que passa tão depressa, que em menos de nada se tornam crescidos e porque, muito honestamente, todo o colo que lhes puder dar será sempre infinitamente pouco.


Tartlets_Col1

Não, não aprendi a ser mais relaxada com o(s) segundo(s) filho(s). Aprendi sim a apreciar melhor o pouco tempo que tenho, a não me deixar prender a medos tão insignificantes como o de os habituar ao colo, aprendi a ser mãe em todo o esplendor daquilo que significa amar um filho.


Ingredientes
Massa 
  • 75 gr Farinha de Trigo 
  • 75 gr Farinha de Centeio Integral 
  • 65 gr de creme vegetal 
  • 35 ml água fria 
  • 1 c. sopa de sementes de linhaça 
  • 1 c. sopa de sementes de chia 
  • 1 c. café de sal 
 Recheio
  • 2 c. sopa de queijo mascarpone 
  • 1 clara de ovo 
  • 1 c. sopa de geleia de pêssego 
  • 1 c. sopa de cacau em pó 
Topping 
  • 2 pêssegos 
  • Açúcar em pó para polvilhar 
  • Açúcar mascavado para polvilhar
Preparação
1. Juntar os ingredientes da massa e amassar muito bem. Estender numa superfície enfarinhada e, com a ajuda do rolo, estender a massa pelas formas. Picar com um garfo e levar ao forno pré-aquecido a 180º cerca de 10 minutos. 

2. Juntar os ingredientes para o recheio e bater muito bem até obter uma mistura homogénea. Distribuir o preparado pelas tartes, depois de arrefecidas. 

3. Laminar os pêssegos em meias luas fininhas e decorar a tarte, formando uma "rosa". Polvilhar com o açúcar mascavado e levar ao forno cerca de 20 minutos. Deixar arrefecer ligeiramente, polvilhar com o açúcar em pó e servir.




sigam o Suvelle Cuisine no Facebook Instagram }

 Bom apetite, Su



Whole grain peach tartlets

Unlike the vast majority of parents, my experience between the first and the second child (children) has not taught me to be more relaxed or at ease.
I've always been all these things with the older. I never got into paranoia because the thermometer accused 30º C - and in most cases the palm serves me well to check the temperature - I never panicked because he had the shoe in his mouth (as indeed all my children love doing), I never cried until my eyes popped when I left him in daycare or with grandparents. 

It's in me to be so, it is a right for me as is the case for the all mothers who are not. 

But behold, after being a mother of a beautiful little boy very independent and very happy with his life, I find myself grappling with two girls who really embody the epitome of what it means to be a real {as I love to call them} Lady.  And I find myself running to them whenever they cry - clearly calling for me - to make me assert my right to be a mother and seek them even if they just hold a minimum breath, to regale me that craving for the taste of each of their features, gestures, smiles and gurgles. 

Just because, and maybe because now I know that time goes by so fast that in no time they'll grown and, quite honestly, every lap I can give them will always be infinitely not enough. 

No, I have not learned to be more relaxed with the second child (children). I did learn to better appreciate the little time I have, not to let me hold onto fears so insignificant as to them get used to the lap, I learned to be a mother in all the splendor of what it means to love a child.


Ingredients:


Dough 
  • 75 gr all purpose flour 
  • 75 gr Rye flour  
  • 65 gr soy butter 
  • 35 ml cold water
  • 1 tblspoon flaxseed 
  • 1 tblspoon chia seed 
  • 1 coffee spoon salt 
 Filling
  • 2 tblspoon mascarpone  
  • 1 egg white 
  • 1 tblspoon peach jam 
  • 1 tblspoon of cocoa powder
  •  
Topping 
  • 2 peaches 
  • Powdered sugar for dusting 
  • Brown sugar for dusting

Method

1.Add dough ingredients and knead well. Roll on a floured board and with the help of the roll, roll through the mini pans. Prick with a fork and bring to a preheated oven at 180 degrees about 10 minutes. 

2. Add the ingredients for the filling and beat well until a homogeneous mixture forms. Distribute the filling through the pies after cooled. 

3. Cut the peaches thinly into half moons and decorate the pie, forming a rose. Sprinkle with brown sugar and bake about 20 minutes. Leave to cool slightly, sprinkle with powdered sugar and serve.



follow Suvelle Cuisine on Facebook and Instagram}

 Bom apetite, Su

30 comentários:

  1. Ainda não tenho a experiência de ser mãe, mas gosto imenso de ler o que escreves!

    Essas tartletes são perfeitas!!! Lindas, deliciosas com um aspecto maravilhoso!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Susana, escrevo precisamente para partilhar com as outras mães e futuras mães. Acredito que a experiência dos outros nos podem servir de uma imensa motivação e ajuda :)
      Beijinho

      Eliminar
  2. How very beautiful. These tarts are works of art and I am sure delicious. ~ Catherine

    ResponderEliminar
  3. Adoro vaguear em blogs e encontrar estas delícias saudáveis. Estas tartlettes são mesmo a minha cara.
    Quanto aos meninos eu mantive para os dois a tua postura inicial. Sempre descontração, mãozinha na testa ou mesmo testa na testa serve para ver a febre. Aliás, se mostrarmos muita preocupação, eles imediatamente ficam "mais doentes" como por magia :-)
    Relevar é o lema, até certo ponto, evidentemente.
    Beijinhos querida e voltou a chuva! Ainda tens uma dívida ;-)
    Chuak
    C

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, contudo é importante também mimá-los um pouco... mesmo que saibamos ser descontraídas. E esse equilibrio por vezes é complicado de atingir :)
      Beijinho grande

      Eliminar
  4. Eu só tive um mas sim chorei quando o tive que o deixar na creche e dava-lhe muito colinho, acho que temos mesmo que aproveitar todos os segundos em que eles são pequeninos pois o tempo voa.
    Adorei essas tartes ficaram tão lindas, gostei muito da massa
    boa semana
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São, eu aprendi com ele e julgo ainda ir mais do que a tempo. É do mais importante que podemos perceber... que o tempo voa sem darmos por ele :)
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Ainda não sei como vai ser comigo... Mas revejo-me muito no que dizes, nunca "paniquei" muito com os 38ºC, nem com sapatos dentro da boca, nem com um arranhão nas pernas. E, também, recordo-me muito bem, quando deixei a Maria na escola pela 1ª vez, ela tinha 1 ano e meio, eu saí sem chorar e senti-me a pior mãe do mundo, por me sentir tranquila. Hoje sei que me senti assim porque sei confiar! Mas em compensação, agora aos 5 anos, ela mudou de escola e gritou em desespero... e nesse dia eu saí arrasada... Por isso, aprendi que tudo depende dos momentos, das situações.
    Como sempre amo os teus textos e as tuas fotos, e as tuas receitas... tudo! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim eles mudam muito.
      Aquilo que quis dizer é que, quando temos o primeiro filho - foi o meu caso - há tantos receios, de fazer tudo bem, de não os habituar mal ou criar hábitos... que por vezes também nos limitamos enquanto mães. Aprendi que mesmo que eles se habituem ao colo em menos de nada já estão a andar e já não nos querem :)
      Tudo para dizer que, ao colocar esses receios de lado, consegui aproveitar muito mais o que de melhor a maternidade tem ;)
      Beijinho grande mamã linda

      Eliminar
  6. Eu não tenho experiência como mãe infelizmente! Mas, tenho como professora de 1ºciclo e compreendo o que dizes acerca dos filhos!

    As tuas tarteletes estão lindas e ficaram amorosas com o formato da rosa!
    um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Su, que tartelettes tão mimosas, saudáveis e que fotos... LINDAS!
    Também me revejo em algumas coisas, o facto de não me alarmar com a febre, etc. Mas concordo com a Maria João, depende das situações. Uma coisa é certa, o tempo corre e há que aproveitar cada momento deles.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  8. Su, texto lindo, e tarteletes amorosas, um pequeno encanto em forma de flor.
    Adorei como sempre. Aproveita bem cada momento com eles.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tento fazê-lo a cada minuto... mas os minutos passam a correr.
      Beijinhos

      Eliminar
  9. E aposto q as. Ladies adoram, bem como o Lord! Até pq colo nunca é demais, lol. Assim como essas lindas tarteletes: acho q comia pelo menos 2!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As ladies ainda não comem disto, mas o lord devorou tudo :P Quanto ao colo, tens toda a razão e mesmo ele com 3 aninhos e meio agora pede como nunca pediu... e eu adoro :)

      Eliminar
  10. Ora aqui está uma coisa que não posso comentar, filhos! No dia em que os tiver, venho aqui dizer de minha justiça :) Espero ser uma mãe tranquila agora fora de brincadeiras :) Até lá, deixa-me olhar para as ruas tartlets que estão um encanto. beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu espero que todos estes meus testemunhos e experiência pessoal possam servir de guia/motivação para as futuras mães como tu :)

      Eliminar
  11. Oh, as ladies são tão diferentes dos gentlemen :) Vale tudo a pena...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Que delícia! Tudo, a mãe e as tarlets.

    ResponderEliminar
  13. Querida Su,
    Pois eu sempre fui o oposto. Típica mãe galinha, que não deixa os pintainhos começar a andar sem estar por detrás a tentar ampará-los e olha que me esforço por não ser assim, mas não consigo e sofro imenso...
    Sempre quis ser mãe e acho que o meu problema foi ser mãe pela primeira vez aos 33, o que acentuou ainda mais esse lado que não acho de todo positivo.
    Ainda bem que tu és descontraída e consegues, pois invejo isso nas mães que me rodeiam.
    Um beijinho doce e linda Su,
    Lia.

    ResponderEliminar
  14. Com tanta conversa até me esqueci destas deliciosas tarteletes que, desde que as publicaste, me perseguem!!!
    LINDAS!
    Um beijinho,
    Lia.

    ResponderEliminar
  15. Que tartelettes deliciosas e que fotos lindíssimas! Adorei!
    Um beijinho* ;)

    ResponderEliminar
  16. These look absolutely DELICIOUS :)
    Wonderful presentation too

    ResponderEliminar
  17. These are such beautiful little peach tartlets!

    ResponderEliminar
  18. Parabéns pelo seu site! Tem fotografias lindas.
    Paula

    ResponderEliminar