Raviolis integrais de espelta com recheio de ervilhas e ricotta em beurre noisette... e saber quando não esperar.

{Whole spelt raviolis com pea ricotta filling in beurre noisette... and to know when not to wait}



Há quem diga que quem espera sempre alcança mas eu sei que nem sempre assim o é. Por vezes é tão mais fácil relegarmos a uma qualquer entidade aquilo por que esperamos, mas a verdade é que se o fizermos, o que ansiamos pode nunca chegar.   
*
Some say who waits always gets but I know this is not always true. Sometimes it is so much easier to relegate to any entity that for which we expect, but the truth is that if we do, what we long for may never come.

SpeltRaviolis_peasricotta_col4 SpeltRaviolis_peasricotta_02 SpeltRaviolis_peasricotta_col


Esperamos que a oportunidade certa chegue, esperamos que os míudos saiam daquela fase mais complicada, esperamos que o tempo nos traga sabedoria e que amanhã a nossa disposição esteja um pouco melhor. 
Esperamos por um conjunto de coisas como se não tivessemos controlo algum sobre elas pelo simples fato de não nos queremos responsabilizar ou dar ao trabalho de mudarmos, nós próprios, o que exige ser alterado.    
*
We hope for the right opportunity to come, we hope for our kids to get over that complicated stage of childhood, we hope that time will bring us more wisdom and that tomorrow we might be a little more friendly towards others.
We wait for a number of things as if we don't have any control over them simply because we don't want to be accountable for it or we just don't want to put enough effort, ourselves, in which needs to be changed.

SpeltRaviolis_peasricotta_13 SpeltRaviolis_peasricotta_05 SpeltRaviolis_peasricotta_col3 SpeltRaviolis_peasricotta_08


Eu cheguei à conclusão que há certas coisas que não podem ser uma opção. Não podem porque a vida é demasiado curta. Porque os nossos filhos crescem demasiado rápido e os nossos pais envelhecem sem darmos por isso. Porque há coisas que têm de ser valorizadas agora e não amanhã.
Não posso estar apenas à espera que aquela oportunidade chegue, tenho de trabalhar por ela. Não posso esperar que a birra passe, tenho de conversar e repetir as centenas de vezes que sejam necessárias o que é errado e o que não é. 
Não posso estar esperar que as hormonas me tragam uma melhor disposição, tenho de me obrigar a não perder a calma com quem não merece. 

E é quase como uma clarividência que nos assola quando percebemos que está tudo dentro da nossa cabeça. Que o controlo que temos sobre este tipo de coisas é tão maior do que aquele que pensamos ou queremos muitas vezes acreditar que temos.    
*
I came to the conclusion that there are certain things that just can't be an option. They just can't because life is too short. Because our children grow up too fast and our parents age without us realizing it. Because there are things that have to be valued right now and not tomorrow.
I can't just be waiting for that opportunity to come, I have to work for it. I can't wait for the tantrum  to go away, I have to talk and repeat hundreds of times as necessary what is wrong and what is not.
I can't expect that the hormones bring me a better mood, I have to force myself to not lose my temper with those who just don't deserve it.

And it's almost like a clairvoyance that enlighten us when we realize that it's all in our heads. The control that we have on this sort of things is so much bigger than what we think or we often believe we have.

SpeltRaviolis_peasricotta_09 SpeltRaviolis_peasricotta_col2 SpeltRaviolis_peasricotta_15 SpeltRaviolis_peasricotta_01-3


Na vida há coisas que simplesmente não dependem de nós, mas aquelas que dependem não podem e nem devem ser descuradas.

Simplesmente porque não sabemos nem nunca saberemos o que o amanhã nos reserva.   
*
In life there are things that we surely can't control, but those in which we have an option shouldn't and mustn't be neglected.  

Simply because we do not know and will never know what tomorrow holds.


{Film Photography by Nuno Ribeiro developed and scanned at Carmencita Film Lab


Ingredientes


Para a massa
  • 200 gr de farinha de espelta integral
  • 2 ovos (de preferência biológicos)
  • 1 fio de azeite
  • Água conforme necessário
Para o recheio

  • 1 chávena de ervilhas
  • 200 gr de ricotta
  • 1 fio de azeite
  • pimenta
  • sal 
Para a beurre noisette 
  • 125 gr de manteiga de boa qualidade
  • 3 ou 4 raminhos de tomilho-limão fresco
  • 1 punhado de nozes picadas 

Preparação

1. Para a massa, fazer um monte com a farinha e fazer um pequeno buraco no meio. Numa taça bater os ovos com o azeite e juntar este preparado à farinha. Com a ajuda de um garfo envolver a farinha no liquido o mais possível.

2. Amassar a massa com as mãos e caso necessário juntar um pouco de água até sentir a massa a ganhar forma. Formar uma bola, envolver com pelicula aderente e deixar repousar por 30 minutos a 1 hora.

3.  Dividir a massa em 2 porções e esticar cada uma delas de acordo com as instruções da máquina, passando sempre 2 vezes em cada abertura. Deixar as placas de massa tapadas com um pano húmido até ao momento de formar os raviolis.

4. Para o recheio escaldar as ervilhas em água a ferver cerca de 2 minutos. Escoar a água, reservando um pouco, e colocar as ervilhas num robot de cozinha juntamente com a ricotta, o azeite, o sal e a pimenta. Triturar tudo e juntar um pouco de água da cozedura caso esteja demasiado consistente.

5. Dispor pequenas bolas do recheio numa das placas de massa e com o dedo ou um pincel passar água naqueles que serão os rebordos dos raviolis. Por cima dispor a outra placa de massa e selar bem de forma a que saia o ar das 'bolsas'. Com a ajuda de um cortador cortar os raviolis no formato desejado.

6. Numa frigideira colocar a manteiga e deixar cozinhar em lume médio baixo, mexendo sempre, até que se comece a formar espuma e posteriormente a manteiga comece a ficar castanha (noisette). Juntar o tomilho-limão e as nozes e deixar fritar um pouco.

7. Cozer os raviolis por cerca de 4 a 5 minutos, escorrer e colocar dentro da frigideira ainda ao lume de forma a que fritem ligeiramente e tomem o gosto da manteiga.  





{ Whole spelt raviolis com pea ricotta filling in beurre noisette Recipe }




Ingredients


For the Pasta
  • 200 gr whole spelt flour
  • 2 eggs (preferably organic)
  • 1 drizzle of olive oil
  • Water as needed
For the filling
  • 1 cup peas
  • 200 gr ricotta
  • 1 drizzle of olive oil
  • pepper 
  • salt 
For the beurre noisette 
  • 125 gr good quality butter
  • 3 or 4 sprigs of fresh lemon thyme
  • 1 handful chopped walnuts


Method


1For the dough, make a moutain with the flour and make a small hole in the middle. In a bowl beat the eggs with olive oil and add this mixture to the flour. With the aid of a fork mix the flour in the liquid as much as possible.

2. Knead the dough by hand and if necessary add a little water until the dough takes shape. Form a ball and cover with cling film and let stand for 30 minutes to 1 hour.

3. Divide the dough into 2 portions and roll out each one according to the instructions of the machine, always passing 2 times in each opening. Leave the dough plates covered with a damp cloth until the time of forming the raviolis comes.

4. For the filling blanch the peas in boiling water about 2 minutes. Drain the water, reserving a little, and put the peas in a food processor along with the ricotta, olive oil, salt and pepper. Grind everything and add a little cooking water if it is too consistent.

5. Put small portions of filling in one of the pasta sheets and with your finger or a brush pass water in the edges. On top roll the other sheet and seal well so that the air exit of the 'bags'. With the help of a cutter cut raviolis in the desired format.

6. In a pan put the butter and cook over medium low heat, stirring, until it begins to foam and then the butter starts to get brown (noisette). Add the lemon thyme and walnuts and let fry a little.

7. Cook the raviolis for about 4 to 5 minutes, drain and place in the pan still on the stove so that lightly fry and take the taste of butter.



18 comentários:

  1. Bom, a idade a mim já me ensinou a *não* esperar nada, a fazer. O que por um lado pode ser mau, mas nem vou entrar por aí - não esperar que filho ou marido façam isto ou aquilo e ir eu fazer dá mau resultado, lol!! Há coisas que na vida não estão de facto nas nossas mãos, e só podemos fazer tudo o que está ao nosso alcance para que essas coisas se concretizem, mas quando chega aquele ponto em que sai do nosso controle e da nossa capacidade ou possibilidade de fazer, eu aprendi a não esperar. A pensar que fiz o que estava nas minhas possibilidades, e se se concretizar, ora muito bem e que bom, se não... bom, pode-se sempre analisar o que terá corrido mal de nossa parte, mas prefiro não o fazer, prefiro não me dar ainda mais esse stress, essa perspectiva de que fui eu que falhei em algo que já não dependia de mim. Tipo raviolis. Saem mal, cá por casa, e eu já desisti de tentar perceber onde é que estamos a errar, eheheh, vou começar a olhar para os raviolis como olho para a maionese: nunca me sai bem!! Estes têm um ar desgraçadoramente bom, desgraçador porque se eu começava a comer acho que não parava...
    http://bloglairdutemps.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que não devias desistir dos raviolis Miranda, talvez tentares uma abordagem diferente, pode ser que dê certo. A minha relação com o pão começou assim - mal - e hoje em dia acho que nos damos lindamente.
      Obrigada pela visita e mensagem :)

      Eliminar
  2. Massa feita em casa deve ser uma verddaeira delicia.
    Adoro raviolis e esses integrais deixaram-me com água na boca...amei.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Massa fresca é mesmo maravilhosa e compensa bem o esforço e trabalho. Sobretudo raviolis que podes rechear da forma que preferires.
      Beijinhos grandes e bom fim de semana para ti também :)

      Eliminar
  3. Querida Su,
    Nem imaginas o quanto concordo com este teu texto. aliás, poderia ter sido escrito por mim, pois não o escreveria de forma diferente, ou melhor, secalhar escreveria de forma mais bruta, lol, pois se há coisa que me mexe com o sistema nervoso, é o facto de as pessoas passarem metade da vida a queixar-se e lamentar-se disto e daquilo e de tudo e não fazerem NADA!! Literalmente NADA para que a vida melhore ou para ter uma vida melhor e mais de acordo e perto dos seus sonhos.
    É mesmo como escreveste e nada mais. Se não mudarmos nós, o que de nós depende, nada mudará!!
    Quanto à tua receita, nem preciso de comentar, pois louca como sou por pasta e seus familiares e acompanhantes, AMO!!
    Um beijinho doce Su,
    Lia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente Lia! Claro que há muita coisa que não podemos mudar e nem tão pouco depende de nós ou daquilo que possamos fazer. Mas por vezes há mais coisas que podemos mudar do que aquelas que pensamos.
      Grande beijinho

      Eliminar
  4. Adoro massa caseira mas infelizmente não tenho tido tempo de dar uso à minha máquina.
    Bela sugestão.

    Beijinhos,
    Clarinha
    http://receitasetruquesdaclarinha.blogspot.pt/2016/04/ovos-no-pao-e-cogumelos-recheados.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Clara, é uma verdade que a massa fresca dá algum trabalho. Mas a verdade é que pode até ser um bom programa para um domingo de manhã com a familia na cozinha :)
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Tens razão, às vezes somos levados a cair na tentação de achar que 'o que for será'. Deixar correr as coisas é muito mais fácil, percebermos que podemos mudá-las (e mudá-las realmente) nem tanto...
    Adorei a sugestão dos raviolis! Tão saudáveis e tão perfeitos... Aquela foto da massa numa tira enorme matou-me, adoro ver massas maleáveis e elásticas assim :D Preciso de uma máquina de fazer massa urgentemente. É melhor que um brinquedo, imagino-me mesmo a passar horas a fazer massas :D TÃO divertido :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazer massa é uma das coisas que mais entusiasmo dá... e quase sempre começa mal para mim. Depois como por magia, a massa faz o resto ;)

      Eliminar
  6. O texto está lindo! Acho que não se pode estar mais de acordo!
    O que depende de nós, há que tentar mudar, sem esperar por amanhã (que muitas vezes acaba por ser a opção mais fácil!)
    Adoro as fotos para começar! É uma ternura olhar para elas!
    Gostei imenso dos raviolis! Adoro a massa e o recheio é perfeito :)
    Guardei a receita para fazer destes dias!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joana, muito obrigada pelas palavras simpáticas.
      Estes raviolis são uma perdição... o recheio só posso dizer que aquele que sobra não fica para contar história ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  7. É mesmo verdade, se há coisas que não podemos mudar ou prever, há outras que podemos tentar fazer com que aconteçam e lutar por elas. Sem esperar. Tenho dificuldade muitas vezes em o conseguir fazer, mas sei que é esse o caminho.
    E estes raviolis, qualquer coisa de extraordinário, adorei as fotos e regalava-me com um prato desses.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  8. Quanta verdade nas tuas palavras! Lodo com isso todos os dias. Com falta de tempo para dar atenção a quem o merece, e o amanhã faz-se existe muitas vezes!
    Há que parar para pensar... o amanhã não está nas mãos de ninguém!
    Lindos raviolis. Tenho a máquina e é imperativo usá-la!
    Beijinhos, leve Su
    C

    ResponderEliminar