Tarte brûlée de alperces com base de espelta... e as exceções

{Apricot brulee tart with spelt crust... and the exceptions}


{ Este post foi feito com o patrocínio da Quinta do Arneiro / This is a Sponsored post by Quinta do Arneiro}


A alimentação dos meus filhos é algo que me preocupa ainda antes de eles nascerem. E sei que me irá continuar a preocupar, muito possivelmente, até ser bem velhinha e talvez já avó.
Evito que comam alimentos com açúcar refinado, alimentos processados e basicamente tudo o que venha dentro de um pacote de compra - até mesmo as bolachas maria.   
*
What my children eat is something that worries me even before they were born. And I know I will continue to worry, quite possibly until I'm very old and maybe a grandmother.
I avoid them to eat foods with refined sugars, processed foods and basically anything that comes inside a shopping package - even the simple biscuits for kids.

ApricotBrulleTart_01 ApricotBrulleTart_col3 ApricotBrulleTart_06


Mas a minha abordagem em relação a isto, talvez como para com tudo na minha vida, não é de todo uma abordagem extremista e é, sim, uma procura incansável de que eles aprendam por si a fazer boas escolhas e que cresçam acima de tudo com um palato trabalhado e ensinado. 
*
But my approach to this, perhaps as for everything in my life, is not at all an extremist one and is, rather, a relentless demand for them to learn by themselves to make good choices and to grow above all with a very worked and taught palate.

ApricotBrulleTart_col5 ApricotBrulleTart_02 ApricotBrulleTart_col6


A alimentação deles começa em primeiro lugar dentro de casa e, muito honestamente, acredito que começa por nós, os pais. Os meus filhos podem e devem comer tudo aquilo que quer eu, quer o pai, comemos. Sim, um chocolate ou uma batata frita também estão incluídos. Não acredito em comer algo e não deixar os meus filhos experimentar aquilo que eu como.
Se vou a uma festa e tenho vontade de comer um daqueles doces verdadeiramente pecaminosos, ou um salgado frito, para mim é tão somente natural que os deixe também comer se me pedirem. 

Mas a questão essencial é que, dentro de minha casa, a regra não são salgados fritos ou doces carregados de açúcar refinado. 
*
The way they eat begins first and foremost in our home and, quite honestly, I think it starts with us, parents. My children can and should eat whatever their father and I eat. Yes, a chocolate or some chips are also included. I don't believe in eating something and not letting my children experience what I'm eating.
If I go to a party and I want to eat one of those truly sinful sweets, fried or salty, for me is but natural that I let them try to if they ask me to.

But the essential point is that inside my house the rule are not savoury fried treats or desserts loaded with refined sugar.

ApricotBrulleTart_11 ApricotBrulleTart_col1 ApricotBrulleTart_13
Quando nos sentamos à mesa todos comemos o mesmo. A refeição que faço para nós é a mesma que eles comem. 
E, salvo exceções muito pontuais, não há nada que eu coma à frente deles que não esteja preparada para lhes dar também. E o curioso disto? Coisas que nem sequer pensava que eles quereriam como por exemplo iogurte natural com sementes ou uma salada de tomate cherry com balsâmico, são eles a pedir-me - e a gostar genuínamente.
Acredito que os nossos filhos aprendem em primeiro lugar com os nossos exemplos, especialmente das duas pessoas que mais amam na vida, os pais. E a alimentação é seguramente algo em que isso acontece.
*
When we sit at the table we all eat the same. The meal I do for me and my husband is the same they eat.
And, except for very specific exceptions, there is nothing that I eat in front of them that I'm not prepared to give them as well. And the curious thing about this? Things I didn't even think that they would want such as natural yogurt with seeds or cherry tomato salad with balsamic, they ask me to eat - and like it genuinely.
I believe that our children learn first from our examples, especially from the two people they love most in life, their parents. And the food is certainly something where this happens.

ApricotBrulleTart_09 ApricotBrulleTart_col2 ApricotBrulleTart_14


Não acredito que proíbir - excepto bebidas alcoolicas naturalmente - seja a melhor forma de educar a sua alimentação. Acredito sim em muni-los, da melhor forma possível, com a capacidade de eles próprios tomarem as suas decisões de forma acertada.

E é por isso que, num fim de semana ocasional faço um doce mais extravagante e os deixo deliciar com ele. 
Uma tarte de leite creme, coberta com os fabulosos alperces da Quinta do Arneiro, biológicos e docinhos como se quer, ligeiramente caramelizados... porque a vida também são exceções.
*

I don't believe in prohibiting - except alcoholic beverages naturally - is the best way to educate the way they see food. I do believe in giving them the right tools in the best possible way, so they gain the ability to make right decisions for themselves.

And that is why, in an occasional weekend  I make a fancier dessert and let them delight in it.
A créme brullê tart, covered with the fabulous apricots from Quinta do Arneiro, biological and so sweet as they should, slightly caramelized ... because life is also made with exceptions.

ApricotBrulleTart_07 ApricotBrulleTart_col4




{Film Photography by  Nuno Ribeiro developed and scanned at Carmencita Film Lab}  




Ingredientes
Base
  • 150 gr farinha de espelta branca
  • 150 gr farinha de espelta integral
  • 120 gr manteiga
  • 1 chávena café de água fria
  • 1 c. chá açúcar mascavado
  • 1 c. chá de sal
Leite-creme (Crème brûlée)
  • 1 l de leite biológico
  • 6 gemas de ovos biológicos
  • 150 gr açúcar mascavado
  • 40 gr maizena
  • 1 c. chá de extrato de baunilha
Montagem
  • 12 alperces biológicos
  • Açúcar mascavado 
  • 3 raminhos de tomilho-limão fresco
Preparação

1. Pré-aquecer o forno a 180ºC.

2. Numa taça grande coloque as farinhas de espelta e a manteiga e com os dedos desfaça a manteiga de forma a incorporar na farinha. Junte a água, o açúcar e sal e amasse bem até formar uma bola consistente. Se necessário adicionar um pouco mais de água. 

3. Estender a massa com um rolo e colocar numa form de tarte redonda. Cortar os rebordos e picar com um garfo. Levar ao forno cerca de 15 minutos.

4. Num tacho colocar o leite a ferver. 

5. Numa tigela colocar as gemas e bater muito bem com o açúcar até obter um creme esbranquiçado. Juntar a maizena e continuar a bater.

6. Quando o leite ferver deitar em fio cerca de 1/3 do leite para os ovos mexendo sempre com uma vara de arames. Deitar o preparado ao resto do leite e levar de novo ao lume. Juntar a baunilha e mexer até engrossar. 

7. Deitar o creme na tarte e por cima dispor os alperces cortados ao meio e descaroçados voltados para cima. Polvilhar a tarte toda com açúcar mascavado e levar ao forno na opção de grill.
NOTA: tapar o rebordo da tarte com papel de alumínio para evitar que queime como aconteceu comigo.

8. Quando o topo estiver caramelizado, retirar do forno e polvilhar com as folhinhas do tomilho-limão.





{ Apricot brulee tart with spelt crust Recipe }




Ingredients


Crust
  • 150 gr white spelt flour
  • 150 gr whole spelt flour
  • 120g butter
  • 1 cuo coffee cold water
  • 1 tspoon muscovado sugar
  • 1 tspoon salt

Custard
  • 1 l organic milk
  • 6 egg yolks of organic eggs
  • 150g muscovado sugar
  • 40g cornstarch
  • 1 tspoon vanilla extract
Assembling
  • 12 apricots organics
  • Muscovado sugar
  • 3 sprigs of fresh lemon thyme


Method


1. Preheat the oven to 180ºC.

2. In a large bowl place the spelt flours and butter and with your fingers incorporate it in the flour. Add the water, sugar and salt and knead well to form a consistent ball. If necessary add a little water.

3. Roll out the dough with a rolling pin and place in a round pan. Cut the edges and prick with a fork. Bake about 15 minutes.

4. In a saucepan bring the milk to a boil.

5. In a bowl put the egg yolks and beat well with the sugar until a whitish cream. Add cornstarch and continue to beat.

6. When the milk boils pour it very slowly, about 1/3 of the milk to the eggs stirring constantly with a wire rod. Pour the custard in the rest of the milk and bring back to the boil. Add the vanilla and stir until thickened.

7. Pour the custard into the pie and top with the apricots cut in half and pitted cut side up. Sprinkle the whole pie with muscovado sugar and bake on the grill option.
NOTE: cover the pie rim with aluminum foil to prevent burning as happened to me.

8. When the top is caramelized, remove from oven and sprinkle with the lemon thyme sprigs.



16 comentários:

  1. Acho que é uma postura natural de quem se preocupa... E parece-me muito equilibrada e justificada. Sem dúvida que fomenta a variedade da alimentação de uma maneira natural e saudável, e isso só pode ser muito bom :)
    ...Assim como essa tarte, que está incrivelmente linda e estava, imagino, incrivelmente deliciosa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta tarte estava realmente deliciosa. O contraste da doçura do leite creme com os alperces caramelizados mas ligeiramente ácidos é fabuloso!
      Beijinhos!

      Eliminar
  2. Querida Su,
    Antes de mais, que lindos e grandes estão os teus rebentos. Lindos os teus filhotes mais fofos!!!
    Quanto ao texto, concordo e cá em casa é igual. Coma-se vegetariano, carne, ou outra qualquer comida étnica, a refeição é para todos e ambos, tanto o Ricardo como a Lily, me deixam feliz com o seu conhecimento culinário e palato apurados. Temos um amigo escocês que está sempre a dizer-lhes que eles são, com certeza, as crianças que melhor comem nesta pequena vila e isso, vindo de pessoas de fora, deixa-me feliz, pois é sinal que estou a fazer um bom trabalho, ou pelo menos, tento.
    Comem porcarias na rua? Claro que comem, especialmente quando chegam áquelas idades em que não consegues controlar o que comem na rua, mas cá em casa, faço tudo, mesmo que seja pecaminoso, sei que não tem porcarias.
    Quanto à tua tarte e imagens, fenomenais, como sempre.
    Um beijinho Su,
    Lia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lia, obrigada! Eles crescem quase sem nos apercebermos não é?!
      Precisamente por saber que chegará o dia em que eles não vão ter a mãe ao lado para os proíbir é que acho que mais importante é enraízar-lhes a noção de boas escolhas!
      Obrigada pelas tuas sempre simpáticas palavras :D
      Grande beijinho

      Eliminar
  3. Querida Su,

    é realmente a abordagem mais sensata e mais saudável. que mal tem uma coisa extravagante de vez em quando? o problema é o dia a dia, não uma ocasião.
    Linda tarte :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente o que acho Sarinha!
      Grande beijinho ;)

      Eliminar
  4. em primeiro lugar nham nham que estou a babar só de olhar para essa tarte!! Depois, que bom de ler que foi, todo este post!! Penso precisamente como tu: o meu filho será mais feliz, mais saudável, e mais seguro se aprender a fazer escolhas acertadamente e se souber decidir por si próprio. Dou-lhe a liberdade de provar, sempre. Por ex, ele adora comida chinesa, por isso de x em qdo vamos a um restaurante chinês, mas acima de tudo, cozinhamos muitas vezes pratos de inspiração oriental, seja chinesa, japonesa, thai ou indiana. Faz bem viajar no palato, já que não há dinheiro para outras viagens eheheheh. E enche-me de orgulho que o meu rapaz seja muito mais feliz se lhe ponho uma tigela gigantesca de salada á frente do que um pacote de batatas fritas - não lhas proíbo, de x em qdo comem-se, mas n são a regra, as saladas sim. Enche-me de orgulho tb ver que ele tem um palato super apurado e consegue identificar os sabores de tudo o que pus num prato - o meu palato é péssimo, reconheço alecrim e já é uma sorte!! Como passei a infância e a adolescência a comer bifes com batatas fritas, tenho o palato todo estragado, e hoje em dia se me chega o cheiro de um bife fico logo doente, nem consigo olhar para eles!! Não quero que o meu filho cresça a comer assim mal, quero que ele saiba apreciar o sabor de um legume fresquinho, de uma verdura estaladiça, de um bom pão caseiro e até de um bolo feito por nós. Fundamentalismos, não, detesto-os, senso comum e cabeça fresca: sempre!! Identifiquei-me mesmo muito com tudo o que aqui escreveste.
    https://bloglairdutemps.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É importante que também lhes demos espaço para alguma liberdade e para decidirem por eles que "afinal aquilo nem é assim tão bom" ;)
      Beijinhos e obrigada

      Eliminar
  5. É verdade Su os filhos são tudo para nós, eu mãe de dois também me preocupo com a alimentação deles e não só, com nós pais. Cá em casa há muita refeições vegetarianas!
    E quanto à sua tarte fiquei rendida! Vou fazer, aqui na horta também há alperces biológicos. Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aqui também são mais do que muitas as refeições vegetarianas!
      Faça a tarte sim, não se arrependerá! ... ou melhor... pode arrepender-se quando a devorar toda em pouco tempo ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Sempre tão bom de ler e ver, e comer com os olhos.
    A tarde está perfeita Su, doce e cremosa.
    E acredito que sim, no que dizes e bem, eles aprendem com os pais, com as escolhas dos pais, e serão muito mais felizxes e saudáveis assim, a fazerem as escolhas deles.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada querida Inês.
      Um grande beijinho

      Eliminar
  7. Que belo texto e reflexão sobre a educação dos seus filhos, adorei ler Susana! Apesar de ainda não ter filhos e experiência própria no assunto, não poderiar deixar de concordar com o que disse e tenho em mente educar assim os meus filhos quando lá chegar :) Quero que eles aprendam a gostar de comida verdadeira, vinda da terra e feita pelas suas próprias mãos, para que quando forem mais velhos saibam fazer decisões mais acertadas por eles próprios :) Moro no UK e é triste ver a falta de tradição familiar e de aprender a cozinhar que nós em Portugal acabamos por ter bastante...jantam cada um no seu quarto, comem sandes pre-feitas ao almoço todos os dias e muitos não sabem nem cozer um ovo, infelizmente não estou a exagerar. Mas aqui em casa é uma casa portuguesa claro com direito a azeite gallo e tudo :D Gosto muito do blog, ótimo trabalho! Beijinho e tudo de bom

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Andy!
      Estou certa que quando tiver filhos vai fazer um ótimo trabalho ;)
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Descobri seu blog ontem e já estou apaixonada!Quero já experimentar as receitas!
    Porém, moro no Brasil e não é tão fácil achar espelta. Gostaria de saber, como seria a proporção para substituir por farinha de trigo branca e farinha de trigo integral?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Michelle, obrigada :)
      A proporção de espelta para a farinha de trigo é exatamente a mesma. Basta usar a mesma quantidade de farinha de trigo comum, sendo que pode usar 150gr Farinha integral + 150gr farinha branca ou 300gr de farinha branca.
      Boa receita ;)

      Eliminar